- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado notário

Letra e música: Pedro da Silva Martins
Intérprete: Os Deolinda


Eis aqui um inventário
Do meu caso com o notário
Esse tal que um dia amei
Entre arquivos e armários
Era ele o usuário
De uma coisa que eu cá sei

E era um amor sem recibos
Sem selos nem carimbos / Que eu lhe fui solicitar
Mas o notário funcionário
Negou o amor arbitrário / De que eu era titular

Vi a vida num calvário
Entre tanto formulário / Modelo e declaração
Rigoroso notário
Mais o seu vocabulário / Contornavam a questão

Que o amor que eu lhe pedia
A lei não mo consentia / O destino também não
Só um amor a recibos
Com dois selos e um carimbo / Tinha a sua aprovação

O seu fulgor era precário
Periódico e sumário / Deixei a reclamação
Ele e um jovem estagiário
Em horário extraordinário / Iam estudar a situação

Mas um dia vi o cenário
Estagiário e notário / Numa coisa que eu nem sei
Foi com dois selos e um carimbo
Bem assentes no focinho / Que este amor eu anulei