- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Aquele automóvel

Letra e musica de Frederico de Brito
Repertório de Tristão da Silva 

Montei num cavalo que é meu companheiro
De tanta jornada
Que tinha galgado num passo ligeiro
Dez léguas de estrada

Mas vamos ao resto
Que às vezes há casos que alegra contá-los
Passou por nós lesto
Um grande automóvel de trinta cavalos

E o meu cavalito
Um pouco espantado parou por momentos
Depois apressado
Lá foi estrada fora de crinas ao vento

Meu pobre cavalo
Num passo ligeiro lá ia seguindo
Sem ver os cavalos
Que iriam puxando um carro tão lindo

Mas ai... numa curva
Da estrada comprida e ao pé de um silvado
Aquele automóvel
De tanta corrida ficou empanado

E o meu cavalito
Relinchava imponente de cauda aos estalos
A rir-se contente
Daquele automóvel de trinta cavalos