- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Coisa assim

Amélia Muge
Repertório de Mafalda Arnauth

Se eu morrer d'amor por ti / Ai leva-me a enterrar
Dentro daquela careta / Que fizeste numa hora
Em que me estavas a olhar / E a rir te foste embora;
E eu quase vi o meu fim
Se eu morrer ou coisa assim
Faz desse riso um cantar / Para te lembrares de mim

Neste corpo dimensão / Que volume tem a crença
Qual a forma da diferença / A altura da paixão
A medida do valor / A largura da razão;
A proporção do amor
Qual o tamanho do medo
A geometria da mão / O que é que nos mede a dôr

Disse-te adeus, quem diria / Eu até nem dei por nada
E digo mais, nem sabia / De história tão mal contada
Nem mentira, nem verdade
Mas como é que isto se sente;
É como se o tempo, um dia / Descobrisse a realidade
E aprendesse de repente / A ficar eternidade