- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cena fadista

António Vilar da Costa / José Marques *fado triplicado*
Repertório de António Mourão

Um marinheiro de Alfama
Que tem fama na Moirama
De atrevido  e valentão
Beijou a Rosa varina
Em surdina, mesmo à esquina
Da Rua do Capelão

Mas nisto, o Chico da Guia / Rufia da Mouraria
Com um sorriso canalha
Segundo o que se presume / Por ciúme, aponta o gume
Traiçoeiro, da navalha

A nova correu a Graça / Breve passa à populaça
Do famoso Bairro Alto
Logo chega à Madragoa / Corre à toa, põe Lisboa
Quase toda em sobressalto

Depois
, silêncio sagrado / Volta o fado a ser cantado
À esquina da Saúde
E aquele bairro de então / Tão brigão e rufião
Parece que tem virtude