- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Castelo e bairros antigos

Isidoro Cavaco / Alfredo Correeiro *marcha do Correeiro
Repertório de Claudia Madeira

Lisboa adora o castelo
Altaneiro e muito belo
Onde o fado também mora
E tem no seu dia a dia
Alfama e Mouraria
A seus pés a toda a hora

Subo as ruas e vielas
Com estendais às janelas / E vou ao alto do monte
E lá do Castelo vejo
As caravelas do Tejo / E o Bairro Alto defronte

Vejo nas ruas estreitinhas
De calçadas e escadinhas / Varinas e marinheiros
E à noite ouve-se o fado
Que por vezes é cantado / Sobe a luz dos candeeiros

De manhã oiço os pregões
Que são velhas tradições / Destes bairros já antigos
E é tradição que não falta
Quando a noite já vai alta / Canta-se o fado entre amigos