- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Verdes campos, verdes águas

Elsa Laboreiro / Arlindo de Carvalho *cantiga de oledo*
Repertório de Yola Diniz 

Verdes campos, verdes águas / Aguarelas do meu país
Lavam dores e lavam mágoas / E a esperança é sua raiz

Do alto de cada serra / Do cimo de cada monte
É tão linda a minha terra / Desenhada no horizonte

E as searas são oceanos
De pão doirado, a germinar
Mão sagrada dos lusitanos
Heróis da terra e do mar;
E as gaivotas voam velozes
Desde o norte até ao sul
Levam longe as nossas vozes
Vestidas de oiro e azul

Negro bando de andorinhas / Neste fado que Deus vos deu
Levem lá saudades minhas / Para além do mar e do céu

Que eu cá fico à vossa espera / Embalada neste meu canto
Até que outra primavera / Encha meus olhos de espanto