- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Na dança do meu fado

Rui Filipe / Johnny Galvão
Repertório de Rosa Negra

O meu fado é a luz que me orienta
Na penumbra do lamento
O meu fado é a voz do sentimento
Sofrimento que se inventa

Ai a vida vai... ai a vida vem
Ás vezes vai ao fundo
Ai a vida tem... pena de ninguém
Que a pena é de todo o mundo

O meu fado já não é aquele fado
Como era antigamente
Minha alma sente que tem um passado
Mas que vive no presente

Vou na dança do meu fado
Que me leva a todo o lado e me faz sentir mulher
E se não balanço a quatro
Vai a dois ou vai de lado, sem ter medo de sofrer

E a voz sempre embargada
Da saudade e da guitarra
Esta rima vai mudar minha sina assassinada

Vou na dança do meu fado
Que me leva a todo o lado e me faz sentir mulher
E a sorte que é malvada
Há-de vir o dia que se vai arrepender

Trago no me peito o fogo do lamento
Sangue da minha cultura
Tenho um gesto a preto e branco que herdei
Mas tenho uma cor mais pura

Tanto mar de compaixão
Navegando, navegado de queixumes, de gemer
Mas quem tem um coração
Vai poder cantar o fado mesmo sem o conhecer