- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Não me dou longe de ti

João Monge / Alfredo dos Santos *marcha do correeiro*
Repertório de António Zambujo

Não me dou longe de ti
Nem em sonhos eu consigo / Ter alguém no meio de nós
Só Deus sabe o que perdi
Para tu ficares comigo / E ouvires a sua voz
Só eu sei o que sofri
Quando sonhava contigo / E abria os olhos a sós

Sabes da minha fraqueza
Onde a faca tem dois gumes / Onde me mato por ti
È da tua natureza
Cortar-me o peito em ciumes / E eu finjo que não morri
Mas è da minha tristeza
Esconder no fado os queixumes / E a cantar entristeci

À noite voltas de chita
Com duas flores no regaço / E tudo o que a Deus pedi
Ès tão minha, tão bonita
Ès a primeira que abraço / Aquela em que me perdi
Nem a minha alma acredita
Que me perco no teu passo / Não me dou longe de ti

Assim te quero guardar
Como se mais nada houvesse / Nem futuro, nem passado
De tanto, tanto, te amar
Pedi a Deus que troxesse / O teu corpo no meu fado