- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Malmequer

José Gonçalez / João Mário Veiga
Repertório de José Gonçalez

Não quero nem mais um verso feliz
Na alma que de ti ficou desperta
Agora que o amor é cicatriz
E a saudade deixou de ser porta aberta

Não quero mais o vento na vidraça
A beber esses meus lábios sobre os teus
P’ra depois poder deixar, nos de quem passa
O perfume que andou a roubar dos meus

Não quero mais plavras p’ra depois
Como momentos que ficaram p’ra viver
Se o que sempre jurámos para os dois
Mostras hoje, para toda a gente ver

Não quero mais os teus braços em mim
Nem quero o coração que me roubaste
Prefiro como pedra, ser assim
Do que água, como um dia me encontraste

Não quero nem mais uma das teimosas
Quadras, que por amor, tanto te fiz
Não quero buganvílias, brancas rosas
Resta-me o mal-me-quer do bem que quis