- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Rasto de infinito

Tiago Torres da Silva / Miguel Ramos
Repertório de Mísia  

Quando a estrada vai comprida
E a gente pensa que a vida
Se torne igual à saudade
Percebemos que a esperança
Não é mais que uma criança
A brincar com a verdade

Vou para a rua, vou para a rua descalça
Dançando ao som duma valsa
Que só eu consigo a ouvir
Moro no peito de quem dança deste jeito
Num sonho mais que perfeito
Que não chega a existir

Fiz desse sonho o meu lar
Onde construo um altar / Cheio de santos e cruzes
São santos em que não creio
Mas é neles que me enleio / Quando se apagam as luzes

Em cada vela, em cada vela há um grito
Onde um rasto de infinito 
Fica de noite a arder
Eu sou a chama, sou a chama dessa vela
E só sei que dentro dela 
Ninguem se atreva a morrer