- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Conta corrente

Carlos Conde / Miguel Ramos
Repertório de Teresa Nunes 

Tu partes por capricho, eu por afrontas
Mas antes do balanço a tanto amor
Vamos fazer primeiro as nossas contas
Que eu devo ter um saldo a meu favor

Põe num lado os ciúmes que eu passei
E noutro os teus momentos de prazer
Desconta agora os beijos que eu te dei
E vê quanto me ficas a dever

Põe num lado esta minha adoração
E noutro as amarguras que me dás
Desconta o meu carinho e o me perdão
E vê se estás em débito ou não estás

Tu nem dos próprios juros te libertas
Pois vê-se pelas provas já tiradas
Que as contas por mim feitas estão certas
Enquanto as tuas somas dão erradas

Mas tu sabes quem sou e eu sei quem és
P’ra que havemos de estar em rebeldia?
Vamos fazer as pazes de uma vez
Porque temos de pôr a escrita em dia