- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canto breve

Rodrigo Costa Félix / Pedro Pinhal
Repertório de Rodrigo Costa Félix

Porque canto, porque grito
Porque me sentes tão longe
Quando te tenho tão perto
Porque pedes o infinito
Se o nosso tempo nos foge
Se tudo é vão e incerto

Porque me dizes adeus
Porque te escondes fechada / Sem me dizeres onde vais
Não vês que os olhos meus
Seguem os teus p’la estrada / E não os deixam jamais

Não entendes quando digo / Que sou teu, eternamente
E o mais que o tempo deixar
Tu és meu porto de abrigo
Minha luz de sol poente / Meu horizonte, meu mar

Eu não te guando segredos / Amor, nem mágoas enfim
Nem de mentias me visto
Tu já conheces meus medos
Tu já és parte de mim / E eu sem ti não existo