- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

De mim para mim

Letra e música de Jorge Fernando
Repertório do autor 

Abro uma mensagem que se alinha entre as outras 
Mas com o teu nome
Digita as palavras a esconder um cara a cara
A que tu queres fugir
Sei como é difícil dizer coisas que nos doem
E que nos consome
Falta-te a coragem nas memórias do que um dia
Em ti eu fiz sentir

De mim para mim
Há a certeza de que pouco errei
Confesso que do amor eu pouco sei
Que é uma fraqueza nascermos assim
De mim para mim
És a questão sem poder resolver
O equilíbrio que eu não sei manter
E assim é certo chegarmos ao fim


Suspeito que o tudo que te dei foi demais
E por demais ser, pequei
É a ingenuidade de quem ama
Para lá de querer cuidar de si
Por ser transparente como um espelho, reflecti-me
E em tuas mãos fiquei
E num jogo sem renúncias, fui às cegas
Virei trunfo e perdi