- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dorme o silêncio nos montes

Maria Manuel Cid / Acácio Gomes *fado acácio*
Repertório de Rodrigo

Vieram chuvas, tormentas
Madrugadas soalhentas
E tudo passo por mim
Não deixei de ser quem era
Pois nenhuma primavera
Põe rosas no meu jardim

Os ventos quebram os ramos
No caminho que passamos / Fica a poeira marcada
Dorme o silêncio nos montes
E no verão secam as fontes / Em volta da minha estrada

Não vi giestas floridas
Não vi bandeiras erguidas / A bailar em meu redor
Morre o sorriso nos lábios
Nem a vontade dos sábios / Pode curar minha dor

Parece que o tempo adora
Pôr um grito em cada hora / E os dias passam assim
E por mais que eu reze a Deus
Nenhuma benção dos céus / Põe rosas no meu jardim