- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A noite vai o fado vem

Tiago Torres da Silva / Tiago Machado
Repertório de Marco Rodrigues

Sei que a noite anda atrás de namorado
E que o fado, apesar de envergonhado
Anda morto de vontade, quer pedir a sua mão
Mas não sabe se é amor ou apenas solidão

Ela finge que não ouve um assobio
E não sente um olhar mais demorado
Se ele a quer, é levá-la a ver o rio
E depois, mas só depois, ouvir o fado

A noite vai, a noite vem
O fado vem, mas vai também
E esse vai-vém é já razão
Prá vizinhança comentar
A noite diz, a noite quer
Que o fado a tome por mulher
E o diz-que-disse não se cansa de aumentar
O que depois fazem os dois
É que eu não vou poder dizer
Porque é segredo e eu não sou desses
Que falam por prazer
Mas na verdade, se eu contasse
Era uma história tão banal
Com toda a gente a estar contente no final

Uma lua a brilhar sobre o castelo
Vê o fado, mas talvez finja não vê-lo
Porque não gosta que a noite esteja assim enamorada
E apressa-se a dormir p’ra que chegue a madrugada

Num instante já chegou o novo dia
E a noite, cinderela da saudade
Vai p’ra casa e diz não qu’rer companhia
Mas o fado não lhe faz essa vontade