- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

O baixinho

António José / João de Vasconcelos
Repertório de Maria Armanda

Pouco mais de metro e meio / Homem maduro e moreno
Sem complexo nem receio / De ser um homem pequeno

Graçolas ouve dizer / Mas responde verdadeiro
Nada me falta para ser / Um homem de corpo inteiro


Olha o baixinho de fato novo
Que mexidinho galã do povo
De namoradas nunca te fartas
Por tua causa há zaragatas
E mesmo alguma que não te liga
Mais tarde ou cedo vai na cantiga
Porque o baixinho tem muita proa
É alfacinha, é de Lisboa

Eu cá sempre ouvi dizer / Que um homem que é pequenino
Que por força tem de ser / Ou velhaco ou dançarino

Este ditado é bem fraco / E a muito baixinho custa
Pois dançarino e velhaco / Aos altos também se ajusta