- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Borda d’água dos meus olhos

Sebastião Mateus Arenque / Ferrer Trindade
Repertório de Dãna 
Letra sujeita a confirmação

Nas terras da borda d’água 
Cheias são mágoa, desolação 
Perdem-se bens e vidas 
Que deixam feridas no coração 
Mas se o sol sorri ardente 
Heróica gente ribatejana 
O seu pesar se amaina 
Lançam-se à faina com maior gana 

Refeitos os bens e os lares 
Que são manjares de mãos obreiras
Nas searas enquenadas 
Cantam ranchadas de mondadeiras
Avieiros na savara
A pesca é cara, o rio a dá 
Lezíria de verde manto
Tamanho encanto igual não há 

Nas lavras e sementeiras
Crescem fogueiras, lindas, primores 
Nas campinas e arneiros 
Que são celeiros dos lavradores
Aproxima-se o suão
Desponta o grão entre praganas
Dá volta à apeiragem
A criadagem nas arribanas 

Maiorais do Ribatejo 
Que dão no Tejo beber ao gado
Fragata faz-se à maré
O arrais à ré trauteia um fado 
Os campinos bem montados 
E arrojados, lidam os toiros 
Na eira trigo dourado 
É debulhado nos calcadoiros