- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Antigamente

Frederico de Brito / Júlio Proença *fado modesto*
Repertório de Lucília do Carmo

Antigamente, era coito a Mouraria
Daquela gente condenada a rebelia
O fado ameno, canção das mais portuguesas
Era o veneno p’ra lhes matar as tristezas

A Mouraria, mãe do fado doutras eras
Que foi ninho da Severa
Que foi bairro turbulento
Perdeu agora todo o aspecto de galdéria
Está mais limpa, está mais séria
Mais fadista cem por cento

Adeus tipóia com pilecas e guiseiras
Adeus rambóia e cafés de camareiras.
Nada mais resta da Moirama que deu brado
Do que a funesta lembrança desse passado

A Mouraria que perdeu em tempos idos
A nobreza dos sentidos
E o pudor de uma virtude
Salvou ainda toda a graça que ela tinha
Agarrada à capelinha
Da Senhora da Saúde