- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado dos fados

F.Abranches / Casimiro Ramos
Repertório de Tristão da Silva

Ao som dum fado alguém viu o meu destino
Quando eu era pequenino, mas nada me quis contar
Ao som dum fado, comecei logo a vivê-lo
De nada serviu escondê-lo, pois não se fez esperar
Ao som dum fado gastei toda a mocidade
Em busca duma amizade que nunca soube encontrar

Fado dos fados
Que ninguém canta por medo
Cada nota é um segredo
Cada acorde uma loucura
Fado dos fados
È todo um corpo a vibrar
E uma boca a procurar
Doutra boca, a amargura


Só a saudade pode encher almas vazias
Mascarar-se de alegrias por tudo o que já è fim
Quanta saudade do que fui e do que sou
Triste fado que embalou quanta saudade de mim
Minha saudade, minha velha companheira
Não saias da minha beira, quero-te toda pra mim