- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sombra de ninguém

João Alberto / Carlos da Maia
Repertório de Francisco Martinho

Chamaram-me sombra negra
Os judas que o disseram
Andam a beijar meu rosto
Por não ter seguido a regra
Das coisas que me impuseram
Dão-me veneno e desgosto

Caminhei pela noite a esmo
Cantei amor vagabundo / Onde a noite me conheça
Vi a sombra de mim mesmo
Sombra negra sou no mundo / Para quem em mim tropeça

Arranquei da noite, o manto
Vi tristezas, risos e dor / Nas trevas que a noite tem
Tudo é sombra, tudo é pranto
Quando a noite veste amor / Sou a sombra de ninguém

Cansei de sentir tristeza

Que sombra negra sou eu / Eu não sei, queria saber 
Apenas sei, apenas sei de certeza 
Minha sombra em mim nasceu / E comigo há-de morrer