- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

E nunca é cedo demais

Rui Rocha / Frederico de Brito *fado azenha*
Repertório de Miguel Rebelo

Aqui, olhando o estuário
Vejo o bailado diário
Das gaivotas do meu rio
Umas vão rasando as águas
Outras, poisadas nas tábuas
Do que resta de um navio

Junto à salina esquecida
Agora triste e sem vida / Outrora, ouro salgado
Oiço a Lisboa moderna
Cantar da forma mais terna / A tradição que há no fado

Atravesso então o Tejo
Levo comigo o desejo / De rever minha cidade
Só assim, sentindo o chão
Vou enchendo o coração / E esvaziando a saudade

Minha Lisboa é meu cais
E nunca é cedo demais / Para prender as amarras
Entrar num bairro bairrista
Ouvir uma voz fadista / E chorar com as guitarras