- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.585 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

E nunca é cedo demais

Rui Rocha / Frederico de Brito *fado azenha*
Repertório de Miguel Rebelo

Aqui, olhando o estuário
Vejo o bailado diário
Das gaivotas do meu rio
Umas vão rasando as águas
Outras, poisadas nas tábuas
Do que resta de um navio

Junto à salina esquecida
Agora triste e sem vida / Outrora, ouro salgado
Oiço a Lisboa moderna
Cantar da forma mais terna / A tradição que há no fado

Atravesso então o Tejo
Levo comigo o desejo / De rever minha cidade
Só assim, sentindo o chão
Vou enchendo o coração / E esvaziando a saudade

Minha Lisboa é meu cais
E nunca é cedo demais / Para prender as amarras
Entrar num bairro bairrista
Ouvir uma voz fadista / E chorar com as guitarras