- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Guitarra coração

Mário Rainho / Pedro Lima
Repertório de Joana Baeta / David Ventura

Lisboa já devia estar na cama
Mas vejo-a a esta hora ‘inda acordada
Porque uma voz na alma a reclama
Pra se perder d’amores na madrugada

É a voz dum coração que, acelerado,
Teimosamente, ao fado ainda se agarra
Ao último suspiro arrancado
Do velho coração duma guitarra

Guitarra, coração
Duma velhinha idade
As tuas cordas são
As veias da cidade
Se a mágoa no teu peito
É gemido que magoa
Choram os bairros a eito
Guitarra, coração desta Lisboa

Já se levanta o sol, meio ensonado
Quando a casa regressa, da noitada
Esta Lisboa qu’ainda cheira a fado
Um fado que lhe serve de almofada


Sossega o coração, mas não a chama
Até que o sono à alma lhe apareça
Dá voltas e mais voltas sobre a cama
Com o estribilho dum fado na cabeça