- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Folhas caídas

Silva Tavares / António Melo
Repertório de Tristão da Silva

Com sua velha mania / De eterna renovação
Esta noite, a ventania / Cobriu de folhas o chão
Pisei várias de seguida / E ao passar na tua rua
Lembrei-me da nossa vida / De quando a minha foi tua

Também tu 
Foste arrastada plo turbilhão
E tão fresca e delicada
Que para não seres pisada 
Eu apanhei-te do chão
Mas tu eras mulher
Não eras qualquer folha vulgar de lieu (?)
E quanto mal me fizeste 
Com o pago que me déste
Sabe-o Deus e sei-o eu


Se vejo as árvores nuas / Logo entristeço e depois
Fujo de andar pelas ruas / Por onde andamos os dois
Recompuz a minha vida / Mas confesso com desgosto
Que ante um folha caída / 
Sinto a cor subir-me ao rosto