- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Audácia

Mafalda Arnauth / Marino Freitas
Repertório de Mafalda Arnauth

Dá-me um pedacinho mais de coragem
E põe nos meus gestos audácia
Diz que sou capaz de ser e fazer melhor
Que eu não acredito que isto seja tudo
E que fique mudo este meu pensar

Tira-me este frágil conforto
Que me traz em paz simulada
Nada é intocável na vida
Que eu prefiro o cruel da verdade
Que andar à toa e doer bem mais
Descobrir a vida tarde demais

Já lá vai o fado escuro
Já lá vai o medo em muro
lá vai não querer dizer o que aí vem
Já lá vai não querer saber p’ra onde vai
Já lá vai o não querer ver
Que é sem segredo que damos cabo do medo

Sou um pé de vento contido
Procurando a rosa dos ventos
Que todos trazemos na alma
Eu não sei caminhar sem um norte
Quero o como, por onde o porquê também
Eu não vivo só entregue à minha sorte

Levanto a poeira das estradas
Numa inquietante ansiedade
De quem tem a sede do mundo
E a explosão que acompanha a partida
Faz-me crer que lá vai a tristeza 
Faz-me ter certeza que a noite está vencida