- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Gaivotas

Letra e musica de Alves Coelho Filho
Repertório de Carlos Ramos

Um bando da gaivotas maneirinhas
Voando em voos francos por entre o mar e os céus
Agitam suas asas tão branquinhas
Lembrando lenços brancos que nos dizem adeus

E sempre, por capricho original
Essas gaivotas vão até ao fim da rota
E de hora a hora no mastro real
Sem luta, sem questão, descansa uma gaivota

Gaivotas, mensageiras sem ter par
Que levam de Lisboa
Saudades de além mar
Gaivotas que voando sempre à toa
Nos trazem de além mar
Saudades pra Lisboa

Voando sem cansaço, sem fadiga
Acompanhando as naves, lá vão cumprindo a lida
Dos velhos marinheiros, há quem diga
Que essas mesmas aves regressam à partida

Por isso as gaivotas maneirinhas
Voando em voos francos por entre o mar e os céus
Parecem, com as asas tão branquinhas
Um mar de lenços brancos a dizerem adeus