- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Gaivotas

Letra e musica de Alves Coelho Filho
Repertório de Carlos Ramos

Um bando da gaivotas maneirinhas
Voando em voos francos por entre o mar e os céus
Agitam suas asas tão branquinhas
Lembrando lenços brancos que nos dizem adeus

E sempre, por capricho original
Essas gaivotas vão até ao fim da rota
E de hora a hora no mastro real
Sem luta, sem questão, descansa uma gaivota

Gaivotas, mensageiras sem ter par
Que levam de Lisboa
Saudades de além mar
Gaivotas que voando sempre à toa
Nos trazem de além mar
Saudades pra Lisboa

Voando sem cansaço, sem fadiga
Acompanhando as naves, lá vão cumprindo a lida
Dos velhos marinheiros, há quem diga
Que essas mesmas aves regressam à partida

Por isso as gaivotas maneirinhas
Voando em voos francos por entre o mar e os céus
Parecem, com as asas tão branquinhas
Um mar de lenços brancos a dizerem adeus