- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Brincos para brincar

João Linhares Barbosa / Francisco Carvalhinho 
Versão do repertório de Maria Amélia Proença 

Quando eu era pequenina 
P’ra me enfeitar as orelhas 
Minha mãe punha-me às vezes 
Quatro cerejas vermelhas 

E toda tola lembro-me ainda 
Que ia p’rá escola vaidosa e linda 
Brincos vermelhos a dar que dar 
Pedia espelhos p’ra me mirar 
Diziam todos que bem lhe fica
Lembra nos modos menina rica 
Via-os revia-os como riqueza 
Depois comia-os à sobremesa 

Um dia as mais raparigas 
Filhas como eu da pobreza 
Puseram-me nas orelhas 
Dois brinquinhos de princesa 

E toda triques faces coradas 
Ia aos despiques nas desfolhadas 
Vinham meus brincos de algum vergel
Não punham vincos na minha pele
Depois mais tarde vi-te e amei 
Deste-me brincos de ouro de lei
Bendito sejas mas na verdade 
Vejo cerejas sinto saudade