- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado de amor e pecado

João Monge / João Gil
Repertório de Ana Sofia Varela

Parti andorinhas parti, longe do meu telhado
Os barcos que jazem aqui foram de outro lugar
Quem sabe amor, onde vai

Quem sabe a dôr que nos cai
O vento passa por nós e o resto é o mar

Matei a rosa vermelha que usava ao decote
Tingi os lençóis com a raiva de amor e pecado
Olhai as mãos, meu amor

Olhai meus olhos, senhor
Cantai guitarras cantai a tristeza do fado

Adeus amor que matei
O mar que há-de encontrar o nosso coração
Adeus amor que jurei
Minha rosa de fogo e de paixão

Fui carne de amor e ciúme, fui vinho e loucura
Um cravo em botão, meu amor, preso á tua lapela
Chorei, amor, este fim

Sequei por dentro de mim
Deixei uma rosa vermelha á tua janela

Tracei o meu xaile no rosto, é de luto este fado
Lavei o teu sangue na chuva que leva á saudade
Olhai as mãos, meu amor

Olhai meus olhos, senhor
Cantai guitarras, cantai a minha liberdade