- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado é saudade

Aníbal Nazaré / Carlos Rocha
Repertório de Rodrigo

Há muita gente que pensa que o fado, para ser fado
Tem de falar em desgraça, tem de evocar o passado;
Dizem que p’ra ser castiço, o fadinho, vejam lá
Tem de falar noutros tempos e em coisas que já não há


Tem de falar em tipóias 
E em rambóias, a horas mortas
Tem de exaltar as noitadas

E as patuscadas, fora de portas
Mas eu acho exagerado

E penso que na verdade
O fado para ser fado

Basta falar em saudade 

Quando oiço cantar o fado, o meu ouvido já espera
Ouvir falar no passado e elogiar a Severa
Mas eu, para ser sincero, este fado não é meu
E eu por mim assevero que a Severa já morreu


Tem de falar em toiradas 
E em desgarradas, a horas mortas
Tem de falar no Timpanas
Nas carripanas que iam p’ras hortas
Mas eu acho na verdade
Que hoje o fado está mudado
Basta falar em saudade
P’ra se ver que o fado é fado