- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lisboa, tu és assim

Letra e música de Pedro Campos
Repertório de Pedro Moutinho

Quando o sol se põe, já fugidio
Bate nos barcos sobre o rio
E na rotunda ao fim da tarde
Pessoas, vagueiam na hora de ponta
Passam por mim vezes sem conta
É a cidade

As casas e as paragens na avenida
Cheias de côr, cheias de vida
Do Bairro Alto á Madragoa
Eu ando e vou sentindo como és
Vendo as esplanadas nos cafés
Sei que és Lisboa

Lisboa do rio e dos barcos no cais
Da gente nas ruas e mais ... tu és assim
Lisboa, tu sabes que bom que é voltar
De longe de qualquer lugar ... só para ti

Eu sigo e vou sentindo como és
Nas passadeiras do Marquês
Sei que és Lisboa