- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Conformação

Joaquim da Silva / Frutuoso França
Repertório de Frutuoso França

Era cega, coitadinha
Encontrei-a a vaguear /
Lastimando as mágoas suas
E caminhando sózinha
Andava o pão a ganhar / Cantando o fado p’las ruas

Por sinal, era bem linda
Lamentei a sua sorte / Chorei sua desventura
Coitada, tão nova ainda
Condenada até á morte / A viver em amargura

Perguntei-lhe de momento
Se gostaria de ver / O mundo no seu bulício
Nesse infernal movimento
Onde reside o prazer / E também campeia o vício

Fica surpresa, suspira
E depois de meditar / No seu amargo destino
Aconchega a sua lira
E respondeu-me a cantar / Neste lindo alexandrino

Nasci assim ceguinha e dou graças a Deus
Se a santa luz do sol, p’ra mim, é denegrida
Foi porque Deus não quis abrir os olhos meus
Pra assim não poder ver as misérias na vida