- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Paixão fatal

Maria de Lurdes Brás / Frederico de Brito *fado britinho*
Repertório: Afonso de Oliveira

Foi na rua da Atalaia
Que encontrei um certo Faia
Muito bem acompanhado
Que pelo braço trazia
Uma Princesa vadia
Vulgar amante do fado

Cheio de curiosidade
Quis conhecer a beldade / Por muitos diz ser amada
Procurei de noite e dia
Toda a gente me dizia / Procura-a de madrugada

Passei noites sem dormir
E comecei-me a sentir / Totalmente embriagado
E cheguei à conclusão
Que era grande a paixão / Por essa amante do fado

Numa noite foi fatal
Entrei na tasca real / Onde o fado se desgarra
Quase que enlouqueci
Pois na minha frente vi / Minha paixão, a guitarra