- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado e vinho

Carlos Conde / Túlio Pereira
Repertório de Maria Amélia Proença

Juntam-se as mesas de pinho
Porque a ceia já fumega
Naquela tipica adega
Onde o vinho sabe a vinho

Por entre a loiça de barro
Há canecas desvidradas
E canjirões já com sarro
Lembrando noites passadas

E enquanto se arranja p’ra dar cor à festa
A graça modesta de um xaile de franja
Vamos nós à ceia
Que a adega está cheia de vinho afamado
E pronto, agora que está na hora
Ajeita a samarra, dedilha a guitarra e vamos ao fado


Como aqui ninguém é mudo
Tudo canta à desgarrada
Quem não cantar paga tudo
Quem cantar não paga nada

Que tudo beba a meu lado
E cante à sua maneira
Não quero ceia sem fado
Nem fado sem bebedeira