- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dias contados

Fernando Farinha / Francisco Carvalhinho
Repertório de Fernando Farinha

Já tem os dias contados / A casinha onde eu nasci
O tempo roubou-lhe a cor / Que outrora lhe conheci

Os escritos na janela / Condenando a sorte sua
Parecem lenços dizendo / Um adeus à minha rua

Casinha velhinha, nesse teu lugar
Vão pôr outra casa 
De linhas modernas
Com mais de um andar
Mas que importa o estilo duma meninice
Se nada ultrapassa 
A recordação e a graça 
Da tua velhice

Das tuas quatro paredes / Fiz um raminho d’esperança
Dentro de ti desfiei / Os meus sonhos de criança

E hoje ao ver que os dias teus / Em cinzas se desfizeram
Choro por ver que tu morres / Como os meus sonhos morreram