- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A nossa gente, o nosso fado

Rodrigo Serrão / Mário Pachaeco
Repertório de Kátia Guerreiro

Quando o silêncio cai por fim sobre o meu corpo
E um gesto simples ilumina o universo
Toda a loucura que acompanha o meu desgosto
Se faz em nada e desse nada se faz verso

Palavras soltas vão ganhando firmamento
Ideias loucas se desprendem como vagas
Toda a revolta que de nós era alimento
Se faz ausente e eu estou só com as palavras

E os versos crescem pelas longas melodias
E a dor que farta fica assim de mim despida
E nas palavras em que eu canto o novo dia
Encontro o sal que mata a fome à própria vida

E no momento em que as palavras resgatadas
P'la minha voz saem do corpo já cansado
Levanto os olhos e descubro em meu caminho
Toda esta gente, e em cada um o nosso fado