- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O meu fado *Dulce*

Letra e musica de Maurício do Vale
Repertório de Dulce Guimarães


Mouraria, Alfama e Madragoa
Foram berço deste fado de Lisboa
Nas vielas onde cheira a rosmaninho
Há gente boa, há vinho
E há um fado que se entoa

É o fado bandeira e sonho dum povo
É um país que sendo velho é novo
E é um amor, ai que eu recordo e revejo
Sempre que, à beira do Tejo
Vejo um barco e me comovo

O meu fado tem loucura de poeta
O meu fado é teatro é caravela
O meu fado que tu és e eu não esqueço
Tem mil tons mas não quero que tenha o dó

É de noite que o nosso fado se canta
Que a guitarra nos embala e nos encanta
Que há um copo, maré cheia de ilusões
Mil versos, recordações
Ondulando na garganta

Madrugada que nos acolhe e abraça
Na Ribeira, um cacau e uma carcaça
Passarinhos cantarolando baixinho
E há sempre um velho, sozinho
P’ra quem a sorte não passa