- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

O meu fado *Dulce*

Letra e musica de Maurício do Vale
Repertório de Dulce Guimarães


Mouraria, Alfama e Madragoa
Foram berço deste fado de Lisboa
Nas vielas onde cheira a rosmaninho
Há gente boa, há vinho
E há um fado que se entoa

É o fado bandeira e sonho dum povo
É um país que sendo velho é novo
E é um amor, ai que eu recordo e revejo
Sempre que, à beira do Tejo
Vejo um barco e me comovo

O meu fado tem loucura de poeta
O meu fado é teatro é caravela
O meu fado que tu és e eu não esqueço
Tem mil tons mas não quero que tenha o dó

É de noite que o nosso fado se canta
Que a guitarra nos embala e nos encanta
Que há um copo, maré cheia de ilusões
Mil versos, recordações
Ondulando na garganta

Madrugada que nos acolhe e abraça
Na Ribeira, um cacau e uma carcaça
Passarinhos cantarolando baixinho
E há sempre um velho, sozinho
P’ra quem a sorte não passa