- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O meu fado *Dulce*

Letra e musica de Maurício do Vale
Repertório de Dulce Guimarães


Mouraria, Alfama e Madragoa
Foram berço deste fado de Lisboa
Nas vielas onde cheira a rosmaninho
Há gente boa, há vinho
E há um fado que se entoa

É o fado bandeira e sonho dum povo
É um país que sendo velho é novo
E é um amor, ai que eu recordo e revejo
Sempre que, à beira do Tejo
Vejo um barco e me comovo

O meu fado tem loucura de poeta
O meu fado é teatro é caravela
O meu fado que tu és e eu não esqueço
Tem mil tons mas não quero que tenha o dó

É de noite que o nosso fado se canta
Que a guitarra nos embala e nos encanta
Que há um copo, maré cheia de ilusões
Mil versos, recordações
Ondulando na garganta

Madrugada que nos acolhe e abraça
Na Ribeira, um cacau e uma carcaça
Passarinhos cantarolando baixinho
E há sempre um velho, sozinho
P’ra quem a sorte não passa