- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A Oliveira

Frederico de Brito / Miguel Ramos *fado oliveira*
Repertório de ?

Sentei-me à sombra fagueira
D'uma frondosa Oliveira
Posta à beira do caminho
Nem uma folha tremia
E no silêncio, eu ouvia-a
Murmurar muito baixinho

Foi um moço cavador
Que me pôs com todo o amor / Neste chão abençoado
E depois de estar criada
Eu dei-lhe o cabo da enxada / E o timão do seu arado

Quis dar-lhe a trave do lar
Dei-lhe a lenha p´ra queimar / Dei-lhe o azeite da ceia
Dava-lhe a sombra no estio
E em noite d'Inverno frio / Dava-lhe a luz da candeia

Vi-o velhinho e cansado
Dei-lhe o nodoso cajado / Mas, fosse lá p'lo que fosse
Farto da vida buscou-me
Veio a meus braços, mirou-me / E neste ramo, enforcou-se