- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vai, dança com ela

Letra e música de Armando Nascimento Rosa
Repertório do autor 

Quem te disse que o fado não dançava 
Mentiu-te para te deixar sentada
Vielas com viola onde há guitarra
Dançava a gente além da madrugada

Não são só trovas vindas do passado
Nem vozes mortas da cidade antiga
Se o corpo ouvir o som que vem do fado
Voltas a ser rapaz ou rapariga

Dá-me o teu braço, traz o teu gesto
Traça no espaço, escapa ao cansaço de tudo o resto
A vida é plena se bailares nela
Faz uma cena sem dor nem pena
Vai, dança com ela 


Quem te disse que o fado é só tristeza
Não viu no canto a chave da alegria
Mesmo que o choro embargue a voz já presa
Se tu cantares da noite fazes dia

Há tantos modos de habitar o tempo
Que às vezes não sabemos bem vivê-lo
É rio que passa breve e vai sedento 
E num só fado a gente quer contê-lo