- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ninguém nos faz nautragar

Paulo Espírito Santo / Valter Rolo
Repertório de Liliana Martins c/ Vânia Duarte 

Só quem navega com esperança 
Vence a borrasca do mar
Não há tormenta sem bonança
Ninguém nos faz naufragar
Temos de dar a meia volta
Pró nosso rumo mudar
Se dermos uma volta inteira
Vamos pró mesmo lugar 

Vamos esquecer Alcácer-Quibir
E acreditar que o bom está para vir
Vençamos o temor ao velho Adamastor
Que mais não faz do que iludir

Dom Sebastião não vai regressar
Toda a bruma em nós se vai dissipar
Que venha quem vier e diga o que quiser
Não nos tente é enganar 

Já vencemos pestes, e guerras brutais
Os Napoleões e outros Cabrais
Se mais desses houver, cá estamos para ver
Vitórias nunca são demai

Imortal nação que o mar conquistou
Povo que a lutar jamais se negou
É hora de avançar, o que há a recear?
Nem a fistória nos vergou…

Se não há mal que sempre dure
Não penses em desistir
Que o temporal não nos perturbe
Pois a bonança há-de vir


Por que é que pensas pequenino
Nação valente, imortal?
Vamos mudar nosso destino 
Vamos cumprir Portugal