- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Maria Clara

Carlos Zamara / Jaime Tiago dos Santos
Repertório de Tristão da Silva 

Maria Clara, um amor de rapariga
Num lindo palmo de cara, foi na cantiga
Duma paixão insensata
Amando alguém que trazia a sua fotografia
Na cigarreira de prata

Não rias Maria Clara
Que pode tornar-se escura a alegria do teu rumo
E toda a tua ventura, amanhã pode ser fumo

Maria Clara, c
igarreiras atraentes 
São virtudes aparentes
Onde há cigarros baratos, ou sentimentos bizarros
Maria Clara, não sonhes a vida inteira
Porque há muita cigarreira
Que varia de retratos quando muda de cigarros


Maria Clara, uma jóia de pequena
Num lindo palmo de cara, hoje condena
Vê que o amor duma hora foi um sonho que passou
Cigarro que se fumou e a ponta se deitou fora

Não chores, Maria Clara, teu destino amargo e duro
Pode haver um coração pobre de amor, como o teu
Que apanhe a ponta do chão