- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Desamparo

Letra e música de Márcia Santos
Repertório de Ana Moura
                                                                    
Tenho sentido um desamparo
No meio do meu coração
Fica o sentido pouco claro
Ser lhe falta a emoção;
Um coração apaziguado
Perde muita tensão

Dei um segundo ao meu amado
P’ra me vir ali buscar
Tenho buscado o meu contrário
Em quem eu me quero dar;
Vim dar a um lugar errado
Que me pousa a pensar

Nem mais um passo
Ficarei onde o breu se desfaça
Como uma névoa que vem
Como uma névoa que passa

Tenho pensado um bom bocado
No tempo que há-de passar
E onde foi no meu passado
Que tive o dom de sonhar;
Sonho que corro pelo prado
Até o sol me queimar

Dei mais um passo para o meu canto
Para os males afastar
Quero o canto em que me fecho
P’ra não mais me fechar;
Sonho que fujo pelo Tejo
Até o mar me abraçar
Que eu mais não faço
Ficarei onde o breu se desfaça
Como uma névoa que vem
Como uma névoa que passa