- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canto da boca

Cátia Oliveira / Valter Rolo
Repertório de Liliana Martins 

Beijo no canto da boca / Chamas e finjo de mouca
Faço rodar o vestido / Num dia atrevido

Enrolo o cabelo no dedo / Do escuro eu finjo ter medo
Peço que acendas a vela / E a ponhas na janela

Gosto do teu jeito afoito, sim
E de ter quase os dezoito, tremo
Quando me mordes a orelha
Pouca vergonha *diz a velha*
P’ra que me leves a casa... e

Falo mansinho contigo / Deixo espreitar o umbigo
Espalho na praça o jasmim / Que te faz lembrar de mim

Deitas-te no meu regaço / Despeço-me num abraço
Um beijo no canto da boca / Não seja a saudade pouca

Gosto do teu jeito afoito, sim
E de ter quase os dezoito, tremo
Quando me mordes a orelha
Pouca vergonha *diz a velha*
P’ra que me leves a casa... e