- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Noites da Sé

José Guimarães / Manuel Maria Rodrigues e Alfredo Duarte
Repertório de Filomeno Silva

Cai a noite na cidade
E logo vem a saudade
Às ruas da velha Sé
È tudo sossego e calma
E entra na nossa alma
Um sentimento de fé

A Rosa abriu a janela
E no silêncio da viela / Uma guitarra se ouviu
È o Chico, o namorado
Que da trapeira do lado / Lhe lançou o desafio

E naquela rua estreita
Que a lua do céu espreita / Anda o fado no sentido
Em versos cheios de amor
A Rosa canta o menor / O dois tons e o corrido

Vão se abrindo mais janelas
E saem cantigas delas / Em jeito de desgarrada
E quase ninguém dá fé
Que às ruas da velha Sé / Vai chegando a madrugada

Três horas na catedral
Vieram pôr ponto final / Àquela cena bairrista
Logo a guitarra emudece
E a Sé velhinha adormece / E tem sonhos de fadista