As 5.150 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Qualquer rua de Lisboa

Mário Rainho / Carlos Dionísio
Repertório de Ana Sofia Gonçalves

Pássaro que não voou
Um barco sem navegar
A máscara do que não sou
A estrela sem cintilar

Tudo no mesmo lugar
Sob o olhar de branca lua
Faz-me à noite procurar
Teu amor por qualquer rua

Qualquer rua de Lisboa onde a terra e o universo
Se entendem e desentendem nas brancas rimas dum verso
Qualquer rua de lisboa, mesmo até à beira rio
Que secou de tanto frio mas volta a ter água boa
Das mágoas derramadas, do olhar, escorrendo toa
Pelos becos e calçadas, qualquer rua de Lisboa


Madrugada que se queima
No lume dos meus cansaços
E este coração que teima
Em arrastar os meus passos

Na cidade dos amores
Em noites de fria lua
Há desencontros e dores
Meu amor, em qualquer rua