- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nós jurámos tantas coisas tantas vezes

Duarte / Alfredo Duarte *fado versículo*
Repertório de Duarte

Foi tão frágil esta nossa despedida
Foram tantas as desculpas que inventámos
Muito embora já saibamos que à partida
A nossa vida não acaba se acabarmos

Nós jurámos tantas coisas tantas vezes
Que entre tanto sem sabermos bem porquê
Lá nos fomos arrastando por uns meses
Decididos a fingir que ninguém vê

Mas doeu-me a vida toda nesse dia
Logo a mim, que nunca fui de dramatismo
Eu confesso que no fundo ainda sentia
Ser capaz de fazer frente ao nosso abismo

Foi tão frágil esta nossa despedida
Foram tantas as desculpas que inventámos
Muito embora já saibamos que à partida
A nossa vida não acaba se acabarmos

Já que falas nesse assunto, eu julgo ter
Ao contrário do que dizes, um senão
Se nunca disse, foi só porque dizer
É quase nada do que diz meu coração