- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado de ontem e de hoje

Silva Tavares / António Melo
Repertório de Tristão da Silva

Eu não entendo a razão / Porque não se canta o fado
Sem vir à baila o passado / A Severa e o Capelão

Sem louvar-se a boa classe / De toureiros e tipóias
Como relíquias ou jóias / Que hoje ninguém fabricasse

O que passou, passou
Basta pois de ideias tontas
Porque bem feitas as contas
O fado só melhorou;
Toda a pessoa sincera
Só por cega represália
Não vê que a fama da Amália
Vale a fama da Severa


Passa-se a vida a dizer / Que hoje o fado já não presta
E que a festa só foi festa / Antes da gente nascer

Mas se investigas e aprendes / Que nenhum bravo, entre tantos
Foi qual foi, Manuel dos Santos / 
Nem qual è Francisco Mendes