- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.170 LETRAS PUBLICADAS // 2.000.000 VISITAS // DEZEMBRO 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que nao constam do índice.

Caso encontre alguma avise-me, por favor.

Se não encontra o Fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

Aveiro está mais moderna

Silveste José / Martinho d’Assunção *fado dos azulejos*
Repertório de José Guerreiro

A cidade está moderna / Tem muita pastelaria
Quase já não há taberna / E afogar mágoas de um dia

A cidade mudou tanto / Como hoje è natural
Pequena loja com pranto / Ri Centro Comercial

Passeio em avenidas, casas novas
Escutando ao mesmo tempo, belas trovas
Nesta Aveiro renascida
Onde a vida ganha vida
Nas ruas há menos covas

Forca-Vouga tanto brilha / Sua rotunda imponente
Alindada è maravilha / Que mostra o fim do presente

O futuro é promissor / Rasgam-se novas artérias
Vem turista com amor / Passar cá as tuas férias

O Estádio vai ser uma realidade / E como cresce a Universidade
O Cojo tem novo rosto / Não tem pó hoje dá gosto
Forum é lindo de verdade

A Ria está mais limpa dia a dia / Até os peixes notam melhoria
No rasto do Moliceiro / Cagaréu ou Ceboleiro
Todos com amor p’la Ria