- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Penas

Júlia Silva / Cavalheiro Júnior *fado porto*
Repertório de Júlia Silva

Trago penas em minh’alma
Penas de fúria e de calma
Que teimam viver comigo
Ocupam o meu espaço
Envolvendo-me num laço
Se calhar è por castigo

Tempestades desvairadas
Trazem-me penas molhadas / Dum pranto amargo e sozinho
Passeiam na minha vida
Fazendo dela sofrida / E prosseguem seu caminho

São penas soltas ao vento
Que sofrem sem um lamento / Atravessando marés
Vagueiam desnorteadas
E depois, extenuadas / Vêm caír a meus pés

E num soluço magoado
Escrevem-me este fado / Que me pedem p'ra cantar
São penas da minha vida
Vida que vivo sentida / Vida que vivo a sonhar