- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dei-te uma saudade

Tiago Torres da Silva / Daniel Gouveia
Repertório de Cátia Montemor

Dá-me um pensamento para eu brincar
Que eu também invento um para te dar
Pensa num segredo, esconde-o em vão
Se
ele è um brinquedo esquecido no chão

Descubro as diferenças que nos vão ligar
Virando o que pensas, de pernas pró ar
Pego um pensamento, ponho-lhe outro em cima
E
paro um momento senão, estrago a rima

Dei-te uma saudade
Que deitaste ao rio
Dei-te uma saudade
Que morreu de frio
Dei-te una saudade
Que esqueceste em casa
No
correr da idade
Que a saudade atrasa


Tu vês o que penso como um dominó
Eu só te pertenço quando ficas só
Quando deixas ir os sonhos no vento
E ficas a rir do teu pensamento

Finda a brincadeira, abre-se o baú
Julgas ver-me inteira e eu julgo que ès tu
Mas só me convenço vendo a tua mão
Guardar o que penso no teu coração