- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canção de Alenquer

António Vilar da Costa / Nóbrega e Sousa *fado alenquer*
Repertório de Tristão da Silva

Do cimo da velha torre / Vi uma noite Alenquer
De prazer também se morre / E eu sufoquei de prazer

Meu coração deslumbrado / Foi do vale até ao rio
Desde então, enamorado / Passa lá noites a fio

Alenquer, presépio de Portugal
Meu brinquedo de natal
Que a Jesus apeteceu
Alenquer, terra de sonho e de lenda
Ès a mais divina prenda
Que El-rei Afonso nos deu
Alenquer, onde em noites de luar
Teus moinhos a cantar
Parecem dizer também
Ai Alenquer, ai Alenquer
Quem è que não te quer bem


Pequeno berço de heróis / Que a pátria venera e quer
Como Damião de Góis / E o grande Pero de Alenquer

Os teus recantos velhinhos / Do Bairro da Judiaria
São iguais nos pergaminhos / 
Da lendária Mouraria