- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Raminho de violetas

E. Sobredo / Mário Martins
Repertório de Sara Pinto

Era feliz no seu casamento
Embora o marido escondesse os sentimentos
Era fechado, tinha cara d’inverno
E ela se queixava de que não era terno

Mas o mistério durava há três anos
Eram cartas de um estranho
Cartas cheias de poesia
Que lhe devolviam a alegria

Quem lhe escrevia versos, ai quem seria
Quem lhe mandava flores num certo dia
Quem é que no seu aniversário
Fazia como os poetas
E lhe mandava um raminho de violetas

Por mais que pense, não adivinha
Quem será aquele que tanto a estima
Porque será que o estranho a não procura
Sorriso aberto e nas mãos a ternura

E nessa angústia sofre em silêncio
Quem pode ser este amor secreto
Sonha com ele de madrugada
Na ilusão de ser desejada

E quando à tarde, regressa o marido
Silencioso, exausto e de si esquecido
Nada lhe diz porque só ele sabe
Que ela é feliz, ignorando a verdade

Porque ele é quem lhe escreve os versos
É o seu amante, o seu amor secreto
E ela que não pode imaginar
Olha o marido e fica a sonhar